segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Quiropraxia pode causar danos permanentes à coluna, diz estudo

da BBC Brasil

Um dos principais tratamentos alternativos para dor nas costas, a quiropraxia pode causar danos permanentes, segundo um estudo publicado pela revista especializada "Journal of the Royal Society of Medicine".

Segundo o autor do estudo, Edzard Ernst, a manipulação da espinha dorsal --prática adotada na quiropraxia-- apresenta sérios riscos e deveria ser controlada mais rigorosamente.

"[A manipulação da espinha] está associada a efeitos adversos leves, freqüentes e passageiros, além de complicações sérias que podem levar a danos permanentes e à morte", afirma o artigo.

Ernst, diretor de medicina complementar da Peninsula Medical School, das universidades de Exeter e Plymouth, analisou dados de 32 estudos anteriores, além de enquetes com médicos e quiropráticos, e chegou à conclusão de que a dissecção das artérias vertebrais é um dos efeitos mais comuns da prática.

Outras complicações incluem rompimento da dura-máter, a membrana externa e mais resistente da medula espinhal, edemas, danos no nervo, hérnia de disco e fraturas ósseas. Na maioria dos casos estudados, a manipulação da espinha superior foi apontada como causa, segundo Ernst.

A quiropraxia consiste no uso de pressão sobre vértebras do paciente e, segundo o estudo, pode resultar em danos às artérias que correm junto à espinha.

Alguns desses danos podem ser seguidos de sangramentos internos ou formação de pseudo-aneurismas, que podem resultar em trombose, embolia ou espasmo arterial.

Os quiropráticos, no entanto, dizem que a relação causal entre a prática e os efeitos descritos é questionável, já que um dos primeiros sinais da dissecção das artérias vertebrais é a dor no pescoço, que muitas vezes é o que leva o paciente a procurar a terapia.

O próprio autor do estudo reconhece que acidentes vasculares podem ocorrer espontaneamente ou ter outras causas. Além disso, como na maioria dos casos os problemas posteriores não são relatados, a freqüência das "conseqüências sérias" é desconhecida.

As estimativas de quiropratas são de que 6,4 em cada 10 milhões de pacientes de manipulação da espinha superior e um em cada 100 milhões de pacientes de manipulação da espinha inferior sofre danos por causa do tratamento. O autor do estudo afirma, porém, que essas estimativas são questionáveis.

Ernst também coloca em dúvida a eficiência da quiropraxia como tratamento para dores nas costas ou no pescoço.

O médico sugere que a informação dos riscos aos pacientes deve ser mandatória para todos os terapeutas que aplicam a técnica.

Segundo a Associação Britânica de Quiropráticos, um em cada três britânicos sofre de dor nas costas.

Um comentário:

José Angelino Paes disse...

Como sempre, aparecem os do contra que expressam opiniões próprias como se fossem resultados de pesquisa. O Dr. Ernst simplesmente assume que "as estimativas são questionáveis" mas não há explicação porque ele acha isso, apenas uma opinião.
A Quiropraxia é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde, regulamentada em mais de 80 países e milhões de pacientes desenganados pelos médicos convencionais passaram a viver melhor depois de ter conhecido a quiropraxia. Eu sou um paciente que já tinha tentado Fisioterapia, RPG, Medicação e outros métodos mas que só pude melhorar das minhas dores de coluna depois da Quiropraxia... É uma vergonha que profissionais da aréa de saúde ainda expressem opiniões infundadas sobre uma profissão que beneficia e ajuda muitos, que é o caso da Quiropraxia.